Núcleo do Dirceu (PI) ocupa o Dança Pra Cacilda de 15 a 26 de agosto!

Através de ações como Performances, web Convivências e Diálogos, viagra sale o Projeto Cênica Corporal Uma pretende expandir sua área de atuação e atingir a Região Norte (cidade de Belém), remedy Sudeste (Cidades do Rio de Janeiro e São Paulo) e Sul (cidade de Porto Alegre), contextos brasileiros onde a obra e a pesquisa ainda não tiveram a oportunidade de serem vistas, devidos a vários fatores, em especial a distância da cidade onde elas são desenvolvidas: Manaus, cidade fora do eixo cultural Sul/Sudeste; regiões onde há maiores oportunidades de trânsito, difusão e troca dos produtos artísticos culturais desenvolvidos no Brasil.

Esta semana eles estão no Dança Pra Cacilda e hoje participarão do Sofá da Cacilda, falando sobre o processo de construção da obra Figuras Transitórias / Figuras Caminhantes e a relação entre arte/social/política/visibilidade/invisibilidade social

The video cannot be shown at the moment. Please try again later.

 Sobre a obra:

A obra FIGURAS TRANSITÓRIAS / FIGURAS CAMINHANTES, uma intervenção coreográfica móvel, dialoga com a dança, as artes visuais e a performance art; é o encontro entre o intérprete pessoa, o pedestre e o espaçurbano. A partitura coreográfica e a instalação móvel, com seus dispositivos sonoros imagéticos, dialogam com o espaçurbano, local onde: tudo é PERFORMANCE, tudo é DANÇA, tudo é TEATRO,  tudo é ARTE VISUAL, tudo é MÚSICA: polifonia humana visual sonora.

Ao mesmo tempo em que “tudo” é visível aos que caminham e transitam nesse ambiente, que pode ser Manaus, Belém, São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre ou Nova York, entre outras cidade do mundo, quase sempre as figuras humanas que as compõem, como o mingauzeiro, o pipoqueiro, o cascalheiro, entre outras, são, as mais despercebidas.

Como tornar visível o invisível?

O desejo dessa obra é o encontro entre o intérprete pessoa, o público e o espaçurbano. O espectador não toma a decisão de ir ao teatro; a própria obra vai de encontro a ele, em qualquer esquina da cidade e no meio das atividades cotidianas das ruas urbanas; não como um espetáculo, mas com a ideia de justapor o fenômeno artístico com o espaçurbano. A obra se impregna dele.

Se quiser saber mais sobre o processo de concepção do projeto, vai lá hoje no Dança Pra Cacilda!!!
Dia :08 de agosto de 2012
Hora:20h
Local: Teatro Cacilda Becker (Rua do Catete 338)
ENTRADA FRANCA

 

Através de ações como Performances, web Convivências e Diálogos, viagra sale o Projeto Cênica Corporal Uma pretende expandir sua área de atuação e atingir a Região Norte (cidade de Belém), remedy Sudeste (Cidades do Rio de Janeiro e São Paulo) e Sul (cidade de Porto Alegre), contextos brasileiros onde a obra e a pesquisa ainda não tiveram a oportunidade de serem vistas, devidos a vários fatores, em especial a distância da cidade onde elas são desenvolvidas: Manaus, cidade fora do eixo cultural Sul/Sudeste; regiões onde há maiores oportunidades de trânsito, difusão e troca dos produtos artísticos culturais desenvolvidos no Brasil.

Esta semana eles estão no Dança Pra Cacilda e hoje participarão do Sofá da Cacilda, falando sobre o processo de construção da obra Figuras Transitórias / Figuras Caminhantes e a relação entre arte/social/política/visibilidade/invisibilidade social

The video cannot be shown at the moment. Please try again later.

 Sobre a obra:

A obra FIGURAS TRANSITÓRIAS / FIGURAS CAMINHANTES, uma intervenção coreográfica móvel, dialoga com a dança, as artes visuais e a performance art; é o encontro entre o intérprete pessoa, o pedestre e o espaçurbano. A partitura coreográfica e a instalação móvel, com seus dispositivos sonoros imagéticos, dialogam com o espaçurbano, local onde: tudo é PERFORMANCE, tudo é DANÇA, tudo é TEATRO,  tudo é ARTE VISUAL, tudo é MÚSICA: polifonia humana visual sonora.

Ao mesmo tempo em que “tudo” é visível aos que caminham e transitam nesse ambiente, que pode ser Manaus, Belém, São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre ou Nova York, entre outras cidade do mundo, quase sempre as figuras humanas que as compõem, como o mingauzeiro, o pipoqueiro, o cascalheiro, entre outras, são, as mais despercebidas.

Como tornar visível o invisível?

O desejo dessa obra é o encontro entre o intérprete pessoa, o público e o espaçurbano. O espectador não toma a decisão de ir ao teatro; a própria obra vai de encontro a ele, em qualquer esquina da cidade e no meio das atividades cotidianas das ruas urbanas; não como um espetáculo, mas com a ideia de justapor o fenômeno artístico com o espaçurbano. A obra se impregna dele.

Se quiser saber mais sobre o processo de concepção do projeto, vai lá hoje no Dança Pra Cacilda!!!
Dia :08 de agosto de 2012
Hora:20h
Local: Teatro Cacilda Becker (Rua do Catete 338)
ENTRADA FRANCA

 

Através de ações como Performances, buy Convivências e Diálogos, physician o Projeto Cênica Corporal Uma pretende expandir sua área de atuação e atingir a Região Norte (cidade de Belém), information pills Sudeste (Cidades do Rio de Janeiro e São Paulo) e Sul (cidade de Porto Alegre), contextos brasileiros onde a obra e a pesquisa ainda não tiveram a oportunidade de serem vistas, devidos a vários fatores, em especial a distância da cidade onde elas são desenvolvidas: Manaus, cidade fora do eixo cultural Sul/Sudeste; regiões onde há maiores oportunidades de trânsito, difusão e troca dos produtos artísticos culturais desenvolvidos no Brasil.

Esta semana eles estão no Dança Pra Cacilda e hoje participarão do Sofá da Cacilda, falando sobre o processo de construção da obra Figuras Transitórias / Figuras Caminhantes e a relação entre arte/social/política/visibilidade/invisibilidade social

The video cannot be shown at the moment. Please try again later.

 Sobre a obra:

A obra FIGURAS TRANSITÓRIAS / FIGURAS CAMINHANTES, uma intervenção coreográfica móvel, dialoga com a dança, as artes visuais e a performance art; é o encontro entre o intérprete pessoa, o pedestre e o espaçurbano. A partitura coreográfica e a instalação móvel, com seus dispositivos sonoros imagéticos, dialogam com o espaçurbano, local onde: tudo é PERFORMANCE, tudo é DANÇA, tudo é TEATRO,  tudo é ARTE VISUAL, tudo é MÚSICA: polifonia humana visual sonora.

Ao mesmo tempo em que “tudo” é visível aos que caminham e transitam nesse ambiente, que pode ser Manaus, Belém, São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre ou Nova York, entre outras cidade do mundo, quase sempre as figuras humanas que as compõem, como o mingauzeiro, o pipoqueiro, o cascalheiro, entre outras, são, as mais despercebidas.

Como tornar visível o invisível?

O desejo dessa obra é o encontro entre o intérprete pessoa, o público e o espaçurbano. O espectador não toma a decisão de ir ao teatro; a própria obra vai de encontro a ele, em qualquer esquina da cidade e no meio das atividades cotidianas das ruas urbanas; não como um espetáculo, mas com a ideia de justapor o fenômeno artístico com o espaçurbano. A obra se impregna dele.

Se quiser saber mais sobre o processo de concepção do projeto, vai lá hoje no Dança Pra Cacilda!!!
Dia :08 de agosto de 2012
Hora:20h
Local: Teatro Cacilda Becker (Rua do Catete 338)
ENTRADA FRANCA

 

Através de ações como Performances, web Convivências e Diálogos, viagra sale o Projeto Cênica Corporal Uma pretende expandir sua área de atuação e atingir a Região Norte (cidade de Belém), remedy Sudeste (Cidades do Rio de Janeiro e São Paulo) e Sul (cidade de Porto Alegre), contextos brasileiros onde a obra e a pesquisa ainda não tiveram a oportunidade de serem vistas, devidos a vários fatores, em especial a distância da cidade onde elas são desenvolvidas: Manaus, cidade fora do eixo cultural Sul/Sudeste; regiões onde há maiores oportunidades de trânsito, difusão e troca dos produtos artísticos culturais desenvolvidos no Brasil.

Esta semana eles estão no Dança Pra Cacilda e hoje participarão do Sofá da Cacilda, falando sobre o processo de construção da obra Figuras Transitórias / Figuras Caminhantes e a relação entre arte/social/política/visibilidade/invisibilidade social

The video cannot be shown at the moment. Please try again later.

 Sobre a obra:

A obra FIGURAS TRANSITÓRIAS / FIGURAS CAMINHANTES, uma intervenção coreográfica móvel, dialoga com a dança, as artes visuais e a performance art; é o encontro entre o intérprete pessoa, o pedestre e o espaçurbano. A partitura coreográfica e a instalação móvel, com seus dispositivos sonoros imagéticos, dialogam com o espaçurbano, local onde: tudo é PERFORMANCE, tudo é DANÇA, tudo é TEATRO,  tudo é ARTE VISUAL, tudo é MÚSICA: polifonia humana visual sonora.

Ao mesmo tempo em que “tudo” é visível aos que caminham e transitam nesse ambiente, que pode ser Manaus, Belém, São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre ou Nova York, entre outras cidade do mundo, quase sempre as figuras humanas que as compõem, como o mingauzeiro, o pipoqueiro, o cascalheiro, entre outras, são, as mais despercebidas.

Como tornar visível o invisível?

O desejo dessa obra é o encontro entre o intérprete pessoa, o público e o espaçurbano. O espectador não toma a decisão de ir ao teatro; a própria obra vai de encontro a ele, em qualquer esquina da cidade e no meio das atividades cotidianas das ruas urbanas; não como um espetáculo, mas com a ideia de justapor o fenômeno artístico com o espaçurbano. A obra se impregna dele.

Se quiser saber mais sobre o processo de concepção do projeto, vai lá hoje no Dança Pra Cacilda!!!
Dia :08 de agosto de 2012
Hora:20h
Local: Teatro Cacilda Becker (Rua do Catete 338)
ENTRADA FRANCA

 

Através de ações como Performances, buy Convivências e Diálogos, physician o Projeto Cênica Corporal Uma pretende expandir sua área de atuação e atingir a Região Norte (cidade de Belém), information pills Sudeste (Cidades do Rio de Janeiro e São Paulo) e Sul (cidade de Porto Alegre), contextos brasileiros onde a obra e a pesquisa ainda não tiveram a oportunidade de serem vistas, devidos a vários fatores, em especial a distância da cidade onde elas são desenvolvidas: Manaus, cidade fora do eixo cultural Sul/Sudeste; regiões onde há maiores oportunidades de trânsito, difusão e troca dos produtos artísticos culturais desenvolvidos no Brasil.

Esta semana eles estão no Dança Pra Cacilda e hoje participarão do Sofá da Cacilda, falando sobre o processo de construção da obra Figuras Transitórias / Figuras Caminhantes e a relação entre arte/social/política/visibilidade/invisibilidade social

The video cannot be shown at the moment. Please try again later.

 Sobre a obra:

A obra FIGURAS TRANSITÓRIAS / FIGURAS CAMINHANTES, uma intervenção coreográfica móvel, dialoga com a dança, as artes visuais e a performance art; é o encontro entre o intérprete pessoa, o pedestre e o espaçurbano. A partitura coreográfica e a instalação móvel, com seus dispositivos sonoros imagéticos, dialogam com o espaçurbano, local onde: tudo é PERFORMANCE, tudo é DANÇA, tudo é TEATRO,  tudo é ARTE VISUAL, tudo é MÚSICA: polifonia humana visual sonora.

Ao mesmo tempo em que “tudo” é visível aos que caminham e transitam nesse ambiente, que pode ser Manaus, Belém, São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre ou Nova York, entre outras cidade do mundo, quase sempre as figuras humanas que as compõem, como o mingauzeiro, o pipoqueiro, o cascalheiro, entre outras, são, as mais despercebidas.

Como tornar visível o invisível?

O desejo dessa obra é o encontro entre o intérprete pessoa, o público e o espaçurbano. O espectador não toma a decisão de ir ao teatro; a própria obra vai de encontro a ele, em qualquer esquina da cidade e no meio das atividades cotidianas das ruas urbanas; não como um espetáculo, mas com a ideia de justapor o fenômeno artístico com o espaçurbano. A obra se impregna dele.

Se quiser saber mais sobre o processo de concepção do projeto, vai lá hoje no Dança Pra Cacilda!!!
Dia :08 de agosto de 2012
Hora:20h
Local: Teatro Cacilda Becker (Rua do Catete 338)
ENTRADA FRANCA

 
 

MARCELO BRAGA APRESENTA SOLO E ENCERRA A OCUPAÇÃO DO TEATRO CACILDA BECKER

O artista carioca participa ainda de uma oficina de criação na última semana de programação do “Dança para Cacilda”, approved de 5 a 9 de setembro

Desde abril deste ano o “Dança pra Cacilda” vem ocupando o Teatro Cacilda Becker com uma intensa programação de dança, ask com espetáculos a preços populares e atividades com entrada franca, que, a cada semana, tem sido complementada e transformada pelo artista ou coletivo convidado. Na última semana de ocupação no Teatro, o bailarino e coreógrafo Marcelo Braga ministra a oficina “Corpos Maduros”, nos dias 5 e 6 de setembro e se apresenta no solo “O Homem Vermelho” entre os dias 7 e 9 do mês.

Em “O Homem Vermelho”, Marcelo Braga encena um espetáculo de dança idealizado por ele que assina ainda texto, luz, figurino e o espaço cênico do trabalho. Como tema, histórias que um corpo transporta e suas formas de comunicação, abordadas com base em situações vivenciadas pelo próprio artista a partir da descoberta de um linfoma cutâneo de células T.

Durante uma sessão de radioterapia ele sentiu vontade de relatar sua história e, a partir de então, com a assistência de direção da bailarina Laura Samy, com colaborações dramatúrgicas da atriz Simone Spoladore e da artista visual Laura Erber, o olhar sensível em imagens do cineasta Walter Carvalho e com a trilha sonora do músico Domenico Lancellotti, nasceu o espetáculo: um relato cênico e bem humorado sobre o drama de Marcelo Braga, até então afastado da dança há quatro anos.

As sessões acontecem sexta-feira, dia 7, às 15h e às 20h; sábado, dia 8, às 20h; e domingo, dia 9, às 19h. Na sexta-feira, dia 7, às 15h, é a sessão educativa e gratuita. As demais apresentações têm ingressos a preços populares: R$10 (inteira) e R$5 (meia-entrada).

A oficina “Corpos Maduros”, voltada para participantes na terceira idade, acontecerá no Teatro Cacilda Becker sob a orientação de Marcelo Braga. Serão dois encontros destinados à investigação do corpo e do tempo. A proposta é revisitar, recontar e produzir novas formas de comunicação através da troca de experiências de estruturas físicas maduras, criando jogos dançantes e narrativos com o uso da voz, do corpo e do espaço. Será criada uma atmosfera de diálogo entre potências e fragilidades. A oficina acontece nos dias 5 e 6 de setembro, das 10h às 12h, com entrada franca. A capacidade é de 20 pessoas.

 

Dentro da programação do “Dança pra Cacilda”, toda quarta-feira, a partir das 20h, a ocupação abre espaço para encontros e conversas sobre os mais variados assuntos. No dia 5 de setembro, encerrando as atividades da ocupação, o “Sofá da Cacilda”, recebe os diretores do projeto, Nayse Lopez e Eduardo Bonito, para um balanço sobre os meses em que o Dança pra Cacilda ocupou o Teatro Cacilda Becker com sua programação.

 

Sobre o artista convidado

 Marcelo Braga

Dançarino e coreógrafo, iniciou seus estudos na Escola da Fundação Clóvis Salgado/Palácio das Artes (Belo Horizonte/MG). Com o Atelier de Coreografia, já se apresentou nos principais teatros do país e em diversos festivais no Brasil e exterior, sempre com sucesso de público e da crítica especializada.

 

Dia 9 de setembro a ocupação no Teatro Cacilda Becker chega ao fim, mas a Associação Cultural Panorama continuará em plena atividade. A cinemateca do Ponto de Cultura Espaço Panorama funcionará com seu acervo de volta ao escritório na Lapa. (Rua da Lapa, 213, Sobrado. Contato: paula.gorini@panoramafestival.com. Em novembro entra em cena o Panorama Festival (http://panoramafestival.com/), o maior festival de Dança do Rio de Janeiro.

 

PROGRAMAÇÃO
De 5 a 9 de setembro

ESPETÁCULO

O Homem Vermelho
Dias: 7 de setembro, às 15h, com entrada franca (sessão educativa gratuita).
7 de setembro, às 20h, 8 de setembro, às 20h e 9 de julho (domingo), às 19h, com ingressos a R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia-entrada)
Duração: 55min.
Classificação etária: 14 anos
 

OFICINA
Corpos Maduros, com Marcelo Braga
Dias: 5 e 6 de setembro.
Horário: das 10h às 12h.
Número de vagas: 20 pessoas.
Público: Terceira idade
Inscrições: Ana Bastos (formacao.cacilda@panoramafestival.com).
Entrada franca. 

CONVERSAS PÚBLICAS
Sofá da Cacilda, com Nayse Lopez, Eduardo Bonito e convidados.
Balanço de encerramento
Dia 5 de setembro.
Horário: 20h
Entrada franca.

  
DANÇA PARA CACILDA
Ocupação artística do Teatro Funarte Cacilda Becker.
Endereço: Rua do Catete, 338 – Catete. Tel.: (21) 2265 9933.
Capacidade do teatro: 150 lugares – Verifique a classificação indicativa.
Direção artística: Nayse Lopez
Direção executiva: Eduardo Bonito
Direção de produção: Carla Lobo
Produção: Ton Dutra
Educativo/Formação de Público: Ana Bastos
Comunicação: Bia Paes
Site: http://cacilda.panoramafestival.com/

Através de ações como Performances, web Convivências e Diálogos, viagra sale o Projeto Cênica Corporal Uma pretende expandir sua área de atuação e atingir a Região Norte (cidade de Belém), remedy Sudeste (Cidades do Rio de Janeiro e São Paulo) e Sul (cidade de Porto Alegre), contextos brasileiros onde a obra e a pesquisa ainda não tiveram a oportunidade de serem vistas, devidos a vários fatores, em especial a distância da cidade onde elas são desenvolvidas: Manaus, cidade fora do eixo cultural Sul/Sudeste; regiões onde há maiores oportunidades de trânsito, difusão e troca dos produtos artísticos culturais desenvolvidos no Brasil.

Esta semana eles estão no Dança Pra Cacilda e hoje participarão do Sofá da Cacilda, falando sobre o processo de construção da obra Figuras Transitórias / Figuras Caminhantes e a relação entre arte/social/política/visibilidade/invisibilidade social

The video cannot be shown at the moment. Please try again later.

 Sobre a obra:

A obra FIGURAS TRANSITÓRIAS / FIGURAS CAMINHANTES, uma intervenção coreográfica móvel, dialoga com a dança, as artes visuais e a performance art; é o encontro entre o intérprete pessoa, o pedestre e o espaçurbano. A partitura coreográfica e a instalação móvel, com seus dispositivos sonoros imagéticos, dialogam com o espaçurbano, local onde: tudo é PERFORMANCE, tudo é DANÇA, tudo é TEATRO,  tudo é ARTE VISUAL, tudo é MÚSICA: polifonia humana visual sonora.

Ao mesmo tempo em que “tudo” é visível aos que caminham e transitam nesse ambiente, que pode ser Manaus, Belém, São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre ou Nova York, entre outras cidade do mundo, quase sempre as figuras humanas que as compõem, como o mingauzeiro, o pipoqueiro, o cascalheiro, entre outras, são, as mais despercebidas.

Como tornar visível o invisível?

O desejo dessa obra é o encontro entre o intérprete pessoa, o público e o espaçurbano. O espectador não toma a decisão de ir ao teatro; a própria obra vai de encontro a ele, em qualquer esquina da cidade e no meio das atividades cotidianas das ruas urbanas; não como um espetáculo, mas com a ideia de justapor o fenômeno artístico com o espaçurbano. A obra se impregna dele.

Se quiser saber mais sobre o processo de concepção do projeto, vai lá hoje no Dança Pra Cacilda!!!
Dia :08 de agosto de 2012
Hora:20h
Local: Teatro Cacilda Becker (Rua do Catete 338)
ENTRADA FRANCA

 

Através de ações como Performances, buy Convivências e Diálogos, physician o Projeto Cênica Corporal Uma pretende expandir sua área de atuação e atingir a Região Norte (cidade de Belém), information pills Sudeste (Cidades do Rio de Janeiro e São Paulo) e Sul (cidade de Porto Alegre), contextos brasileiros onde a obra e a pesquisa ainda não tiveram a oportunidade de serem vistas, devidos a vários fatores, em especial a distância da cidade onde elas são desenvolvidas: Manaus, cidade fora do eixo cultural Sul/Sudeste; regiões onde há maiores oportunidades de trânsito, difusão e troca dos produtos artísticos culturais desenvolvidos no Brasil.

Esta semana eles estão no Dança Pra Cacilda e hoje participarão do Sofá da Cacilda, falando sobre o processo de construção da obra Figuras Transitórias / Figuras Caminhantes e a relação entre arte/social/política/visibilidade/invisibilidade social

The video cannot be shown at the moment. Please try again later.

 Sobre a obra:

A obra FIGURAS TRANSITÓRIAS / FIGURAS CAMINHANTES, uma intervenção coreográfica móvel, dialoga com a dança, as artes visuais e a performance art; é o encontro entre o intérprete pessoa, o pedestre e o espaçurbano. A partitura coreográfica e a instalação móvel, com seus dispositivos sonoros imagéticos, dialogam com o espaçurbano, local onde: tudo é PERFORMANCE, tudo é DANÇA, tudo é TEATRO,  tudo é ARTE VISUAL, tudo é MÚSICA: polifonia humana visual sonora.

Ao mesmo tempo em que “tudo” é visível aos que caminham e transitam nesse ambiente, que pode ser Manaus, Belém, São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre ou Nova York, entre outras cidade do mundo, quase sempre as figuras humanas que as compõem, como o mingauzeiro, o pipoqueiro, o cascalheiro, entre outras, são, as mais despercebidas.

Como tornar visível o invisível?

O desejo dessa obra é o encontro entre o intérprete pessoa, o público e o espaçurbano. O espectador não toma a decisão de ir ao teatro; a própria obra vai de encontro a ele, em qualquer esquina da cidade e no meio das atividades cotidianas das ruas urbanas; não como um espetáculo, mas com a ideia de justapor o fenômeno artístico com o espaçurbano. A obra se impregna dele.

Se quiser saber mais sobre o processo de concepção do projeto, vai lá hoje no Dança Pra Cacilda!!!
Dia :08 de agosto de 2012
Hora:20h
Local: Teatro Cacilda Becker (Rua do Catete 338)
ENTRADA FRANCA

 
 

MARCELO BRAGA APRESENTA SOLO E ENCERRA A OCUPAÇÃO DO TEATRO CACILDA BECKER

O artista carioca participa ainda de uma oficina de criação na última semana de programação do “Dança para Cacilda”, approved de 5 a 9 de setembro

Desde abril deste ano o “Dança pra Cacilda” vem ocupando o Teatro Cacilda Becker com uma intensa programação de dança, ask com espetáculos a preços populares e atividades com entrada franca, que, a cada semana, tem sido complementada e transformada pelo artista ou coletivo convidado. Na última semana de ocupação no Teatro, o bailarino e coreógrafo Marcelo Braga ministra a oficina “Corpos Maduros”, nos dias 5 e 6 de setembro e se apresenta no solo “O Homem Vermelho” entre os dias 7 e 9 do mês.

Em “O Homem Vermelho”, Marcelo Braga encena um espetáculo de dança idealizado por ele que assina ainda texto, luz, figurino e o espaço cênico do trabalho. Como tema, histórias que um corpo transporta e suas formas de comunicação, abordadas com base em situações vivenciadas pelo próprio artista a partir da descoberta de um linfoma cutâneo de células T.

Durante uma sessão de radioterapia ele sentiu vontade de relatar sua história e, a partir de então, com a assistência de direção da bailarina Laura Samy, com colaborações dramatúrgicas da atriz Simone Spoladore e da artista visual Laura Erber, o olhar sensível em imagens do cineasta Walter Carvalho e com a trilha sonora do músico Domenico Lancellotti, nasceu o espetáculo: um relato cênico e bem humorado sobre o drama de Marcelo Braga, até então afastado da dança há quatro anos.

As sessões acontecem sexta-feira, dia 7, às 15h e às 20h; sábado, dia 8, às 20h; e domingo, dia 9, às 19h. Na sexta-feira, dia 7, às 15h, é a sessão educativa e gratuita. As demais apresentações têm ingressos a preços populares: R$10 (inteira) e R$5 (meia-entrada).

A oficina “Corpos Maduros”, voltada para participantes na terceira idade, acontecerá no Teatro Cacilda Becker sob a orientação de Marcelo Braga. Serão dois encontros destinados à investigação do corpo e do tempo. A proposta é revisitar, recontar e produzir novas formas de comunicação através da troca de experiências de estruturas físicas maduras, criando jogos dançantes e narrativos com o uso da voz, do corpo e do espaço. Será criada uma atmosfera de diálogo entre potências e fragilidades. A oficina acontece nos dias 5 e 6 de setembro, das 10h às 12h, com entrada franca. A capacidade é de 20 pessoas.

 

Dentro da programação do “Dança pra Cacilda”, toda quarta-feira, a partir das 20h, a ocupação abre espaço para encontros e conversas sobre os mais variados assuntos. No dia 5 de setembro, encerrando as atividades da ocupação, o “Sofá da Cacilda”, recebe os diretores do projeto, Nayse Lopez e Eduardo Bonito, para um balanço sobre os meses em que o Dança pra Cacilda ocupou o Teatro Cacilda Becker com sua programação.

 

Sobre o artista convidado

 Marcelo Braga

Dançarino e coreógrafo, iniciou seus estudos na Escola da Fundação Clóvis Salgado/Palácio das Artes (Belo Horizonte/MG). Com o Atelier de Coreografia, já se apresentou nos principais teatros do país e em diversos festivais no Brasil e exterior, sempre com sucesso de público e da crítica especializada.

 

Dia 9 de setembro a ocupação no Teatro Cacilda Becker chega ao fim, mas a Associação Cultural Panorama continuará em plena atividade. A cinemateca do Ponto de Cultura Espaço Panorama funcionará com seu acervo de volta ao escritório na Lapa. (Rua da Lapa, 213, Sobrado. Contato: paula.gorini@panoramafestival.com. Em novembro entra em cena o Panorama Festival (http://panoramafestival.com/), o maior festival de Dança do Rio de Janeiro.

 

PROGRAMAÇÃO
De 5 a 9 de setembro

ESPETÁCULO

O Homem Vermelho
Dias: 7 de setembro, às 15h, com entrada franca (sessão educativa gratuita).
7 de setembro, às 20h, 8 de setembro, às 20h e 9 de julho (domingo), às 19h, com ingressos a R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia-entrada)
Duração: 55min.
Classificação etária: 14 anos
 

OFICINA
Corpos Maduros, com Marcelo Braga
Dias: 5 e 6 de setembro.
Horário: das 10h às 12h.
Número de vagas: 20 pessoas.
Público: Terceira idade
Inscrições: Ana Bastos (formacao.cacilda@panoramafestival.com).
Entrada franca. 

CONVERSAS PÚBLICAS
Sofá da Cacilda, com Nayse Lopez, Eduardo Bonito e convidados.
Balanço de encerramento
Dia 5 de setembro.
Horário: 20h
Entrada franca.

  
DANÇA PARA CACILDA
Ocupação artística do Teatro Funarte Cacilda Becker.
Endereço: Rua do Catete, 338 – Catete. Tel.: (21) 2265 9933.
Capacidade do teatro: 150 lugares – Verifique a classificação indicativa.
Direção artística: Nayse Lopez
Direção executiva: Eduardo Bonito
Direção de produção: Carla Lobo
Produção: Ton Dutra
Educativo/Formação de Público: Ana Bastos
Comunicação: Bia Paes
Site: http://cacilda.panoramafestival.com/

Na programação do “Dança pra Cacilda”, view de 15 a 26 de agosto, information pills grupo de Teresina apresenta o resultado de intervenção realizada no Piauí e promove oficina e debates.

Dentro do projeto de ocupação artística do Teatro Funarte Cacilda Becker, side effects a programação das duas próximas semanas ficará a cargo do Núcleo do Dirceu –uma plataforma de artistas do Piauí que trabalham em projetos colaborativos.

Nos dois próximos finais de semana (dias 17, 18, 19, 24, 25 e 26 de agosto), a plataforma, que reúne aproximadamente 15 colaboradores, leva ao palco do teatro Cacilda Becker uma instalação performática que faz parte do espetáculo 1000 Casas – um projeto de intervenção domiciliar artística que vem sendo construído através de visitas em residências do bairro Dirceu Arcoverde, uma das regiões mais pobres e populosas do Piauí, com cerca de 250 mil habitantes.

O Núcleo já visitou aproximadamente 400 casas e, nos meses a seguir, dará continuidade ao trabalho em mais 300 residências na região localizada no Nordeste do Brasil. Cada um dos artistas leva o material nascido desses
encontros para o galpão sede do Núcleo, instalado no bairro, na periferia de Teresina. A ideia é compartilhar com os outros participantes aquilo que foi vivenciado nesses encontros.

O site do Núcleo do Dirceu contém todas as documentações das visitas! Acesse:

http://1000casas.nucleododirceu.com.br/o-que-e-o-1000casas/

Para a apresentação no “Dança pra Cacilda” o Núcleo do Dirceu preparou o inverso do quem tem sido realizado em Teresina. No palco do Cacilda Becker, será apresentada uma instalação-performática, tendo como cenário materiais,
instalações compostas por caixas, simbolizando essas residências do Dirceu Arcoverde, com o objetivo de compartilhar oque tem sido vivenciado por eles durante a realização do trabalho.
Nas sextas-feiras, dias 17 e 24 de agosto, às 15h, as sessões são educativas e gratuitas. As demais apresentações têm
ingressos a preços populares: R$10 (inteira) e R$5 (meia-entrada).

Na quarta-feira e na quinta-feira, 22 e 23 de agosto, das 10h30 às 13h,Marcelo Evelin, um dos integrantes do Núcleo do Dirceu e outros membros da plataforma artística ministram uma oficina de processo criativo onde irão partilhar a experiência de criação do projeto 1000 casas para o público interessado em arte. São 30 vagas disponíveis.
Para participar, os interessados devem enviar um breve currículo para Ana Bastos
(formacao.cacilda@panoramafestival.com).

Dentro da programação do “Dança pra Cacilda”, toda quarta-feira, a partir das 20h, a ocupação abre espaço para encontros e conversas sobre os mais variados assuntos.
No dia 15 de agosto, Marcelo Evelin compartilha os vídeos (curtas-metragens) produzidos durante as intervenções
nas casas que integraram a projeto original do 1000 casas no Piauí.
No dia 22 de agosto, Dani Lima abre uma discussão guiada pela pergunta “um gesto brasileiro?” para debater sobre a existência efetiva de um gesto que possa ser reconhecido como legitimamente brasileiro.

Sobre os artistas convidados:

O Núcleo do Dirceu atua em diferentes linguagens das artes performáticas, e foi reconhecido duas vezes pela Associação de Críticos de Artes de São Paulo, pela melhor “Política Pública em Dança”, por “Formação, Difusão,
Produção e Criação em Dança”.

O projeto 1000 Casas é apresentado pela Petrobras e pelo Ministério da Cultura, com patrocínio de manutenção do Núcleodo Dirceu, via Lei Rouanet e Governo Federal.
A plataforma artística é formada por Allexandre Santos, Caio César, César Costa, Cipó Alvarenga, Cleyde Silva, Elielson Pacheco, Izabelle Frota, Jacob Alves, Janaína Lobo, Jell Carone, Julia Bardsley, Layane Holanda, Marcelo
Evelin, Regina Veloso, Soraya Portela, Yang Dallas.

 

PROGRAMAÇÃO
De 15 a 26 de agosto

ESPETÁCULO
1000 Casas
Sexta-feira, 17 de agosto, às 20h; Sábado 18 de agosto, às 20h; Domingo, 19
de agosto, às 19h.
Sexta-feira, 24 de agosto, às 20h; Sábado 25 de agosto, às 20h; Domingo, 26
de agosto, às 19h.
Duração: 80min.
Classificação etária: 18 anos.
Ingressos a R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada)

SESSÃO EDUCATIVA
1000 Casas
Sextas-feiras, 17 e 24 de agosto, às 15h.
Entrada franca.

OFICINA
Oficina de processo criativo, com Núcleo do Dirceu.
Quarta e quinta-feira, 22 e 23 de agosto, das 10h30 às 13h.
Voltado para pessoas com alguma experiência em artes.
Número de vagas: 30 pessoas.

Para participar, é preciso enviar uma carta de intenção para Ana Bastos
formacao.cacilda@panoramafestival.com

Entrada franca.

CONVERSAS PÚBLICAS
Cine Teatro, com Marcelo Evelin
Quarta-feira, dia 15 de agosto, às 20h

Um dos idealizadores do Núcleo do Dirceu, o artista irá compartilhar os
vídeos (curtas-metragens) produzidos durante as intervenções nas casas que
integraram a projeto original do 1000 casas.
Entrada franca.

Corpo.Doc, com Dani Lima e um convidado especial
Quarta-feira, dia 22 de agosto, às 20h
Uma discussão sobre a existência efetiva de um gesto que possa ser
reconhecido como legitimamente brasileiro.
Entrada franca.

DANÇA PARA CACILDA

Ocupação artística do Teatro Funarte Cacilda Becker
Endereço: Rua do Catete, 338 – Catete. Tel.: (21) 2265 9933
Capacidade do teatro: 150 lugares – Verifique a classificação indicativa
Direção artística: Nayse Lopez
Direção executiva: Eduardo Bonito
Direção de produção: Carla Lobo
Produção: Ton Dutra
Educativo/Formação de Público: Ana Bastos
Comunicação: Bia Paes

Site: http://cacilda.panoramafestival.com

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *